sábado, 12 de maio de 2007

CARTA PÚBLICA

Resposta pública aos desrespeitos contra a produção científica sobre drogas na área das ciências humanas, realizadas através de ataques pessoais ao prof. Dr. Henrique Carneiro

Há alguns dias, o sr. Reinaldo Azevedo publicou em seu blog um ataque pessoal, grosseiro e preconceituoso ao Dr. Henrique Carneiro, historiador e professor a Universidade de São Paulo (USP). O ataque, que visava desqualificar as posições políticas do prof. Henrique, procurou basear-se na estratégia de ridicularizar o fato da produção acadêmica do prof. Carneiro ser dedicada à historia social dos usos de substâncias psicoativas.

Sem nem ler um livro ou mesmo qualquer artigo, nem procurar entrar nos detalhes dos temas abordados, ou ao menos aproximar-se do conteúdo trabalhado pelas diversas áreas das ciências humanas dentro da temática do consumo de 'drogas', o sr. Azevedo sugeriu que por ser sobre 'drogas', só poderia ser uma produção acadêmica sem valor, enfatizando que o tema escolhida para ser trabalhado, por si, já desqualificaria qualquer resultado exposto nos trabalhos do prof. Henrique.

Independente da posições políticas do prof. Henrique Carneiro, que podem ser debatidas e atacadas, mas sempre com respeito e discussão de idéias, sua obra é um exemplo de rigor, erudição e trabalho árduo, feito muitas vezes sem as melhoras condições para isso, devido às péssimas estruturas, à falta de recursos humanos e financeiros, tão típicos do sistema público de educação - cenário bastante diferente do sugerido pelo sr. Azevedo. Ao desrespeitar esse trabalho, sem ao menos saber qual é, posto que afirmou nunca ter lido, Reinaldo Azevedo desrespeita não apenas ao Dr. Carneiro, mas a todos os pesquisadores da áreas das ciências humanas, que dedicam suas investigações ao tema do consumo de substâncias psicoativas.

Fica o apelo para que, mesmo em discussões publicadas em blogs, os autores procurem ter maior responsabilidade editorial com relação aos conteúdos publicados, uma vez que mesmo para a Internet, existem princípios éticos, limites legais e morais, que devem ser respeitados para a realização da exposição pública de conteúdos e opiniões, sejam elas embasadas em dados científicos ou apenas nos "achismos" de colunistas virtuais.

2 comentários:

  1. Neipianos e afins
    Impossível não ficar revoltado com esse tal Reinaldo e seus cupinxas. Penso que isso poderia dar em um bom processo de calúnia e difamação, se a justiça brasileira não fosse tão comprometida com a imprensa e seus protegidos. O que o poder da mídia não faz com a cabeça das pessoas?
    É uma pena que muitos não têm o privilégio de escutar ou assistir a uma aula do Prof. Dr. Carneiro, que detém preciosa posição ética em relação aos diferentes modos de administração de substâncias, assim como às idiossincrasias e hábitos da modernidade que os acompanham.
    Acho também que o trabalho de Vidal está muito de acordo com a situação dos grupos anti-proibicionista s, sem cair na discussão de baixo nível dos preconceituosos e fascistas que argumentaram contra nosso querido Carneiro.
    Parabéns aos que defendem com garra o direito de falar do bizarro, do absurdo, e vivenciá-los, sem resvalar na mixórdia da suposta moral politicamente correta.
    Parabéns Henrique Carneiro, Sérgio Vidal e outros!
    Ricardo Gallina

    ResponderExcluir
  2. Marco Sayão Magri16 de maio de 2007 00:47

    Como dar algum tipo de relevancia a uma pessoa como o Reinaldo Azevedo: 1-) O que ele não comenta? Desde o Lula até um insignificante como Diogo Mainardi; 2-) Dar credibildiade a ele é fazer o jogo, ignoremos seus comentários; 3-) um Cientista como o Prof. Dr. Carneiro não precisa dar satisfaçoes a um político/jornalista/sabe-tudo como Reinaldo Azevedo, que nenhum título tem, mas tem toda proteção de parlamentar; 4-) O público alvo de seu blog são leitores da Veja, ou seja, pessoas que não estão, nem querem ser, iniciadas no debate das DROGAS; 5-) Como disse acima, IBOPE pra esse tipo de comentarista oportunista só serve pra fazer o jogo dele; 6-) Desafio ele a publicar a carta de repúdio em seu próprio blog.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião!